.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

COMO ESTÁTUA___NÚRIA CARLA


Fria, demente e insensível
Vagando por céu d’spuma
Nauta, romântica e terrível
Como estátua de gélido bronze
Escarro sonhos em suores brumas
Que recém dos pombos o batismo sagrado
Escombros sem cinzas
Da boca, somente restou sorriso pálido
Sem veste que esquentem minh’alma
Como estátua que morre sem o viço da calma.


Núria Carla

1 Comentários:

  • Revestes a beleza de uma estátua com a beleza de tuas majestosas palavras!!!Beijos,minha querida,Vilma Belfort.

    Por Blogger Vilma, às 11 de junho de 2008 10:44  

Postar um comentário

<< Home