.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Sonia Maria Ferraresi


Sônia Maria Ferraresi,
Através do nome literário, Soninha Porto, homenageia Porto Alegre, cidade que a adotou aos 4 anos de idade.
Gaúcha, pisciana, 3 filhos, de Cruz alta, Relações Públicas, faz parte da diretoria da Casa do Poeta Rio-grandensee é integrante dos Poetas Del Mundo.
Ativista cultural da internet, realizou em abril de 2007, uma coletânea virtual com 52 poetas do Brasil,amigos do orkut, divulgado no Recanto das Letras.
Participa de diversas antologias e coletâneas:
* Antologia Delicatta de Luiza Moreira, SP;
*Antologia do Café Filosófico das 4, comunidade do orkut administrada por Chris Herrmann;
* III Coletânea, Poesia, Conto e Crônica de 2007, da Casa do Poeta de Canoas;
* Coletânea “Nas asas da Paz”, da Confraria dos Poetas Del Mundo de Porto Alegre;
* Coletâneas “Poetas pela Paz e Justiça Social”, "Casa do Poeta Rio-grandense” e “15º Congresso Brasileiro de Poesia”, da Editora Alcance, de Porto Alegre.
Páginas pessoais
Site Recanto das Letrashttp://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=11628
ESPAÇO ABERTO: CONEXÃO POESIAhttp://espacoabertoconexaopoesia.blogspot.com/OLHAR À FLOR DA PELEhttp://soninhaporto.blogspot.com/
Páginas oferecidas por amigos:Página da Lu Oliveirahttp://groups.msn.com/LiteraturaBahiana/soninhaporto1.msnwPágina do Luiz Fernando Prôahttp://www.almadepoeta.com/soninhaporto.htmPágina do Selmo Vasconcelloshttp://www.rondoniaovivo.com/exibenot0.php?id=32691Página de Tatiana Monteirohttp://www.prosaemverso.com.br/index_soninha.htm
Eu Mulher
Eu mulher...
sou braço a enlaçar meus filhos
dou-lhes brilho
adianto seus passos
Eu mulher...
dou calor e acarinho
meus seios a alimentar
afagos em meu ninhos
ou a origem e as raízes
do que sinto.
Eu mulher....
tal qual guerreira
peleio pelos campos
luto em outros tantos
minha sina, trabalhar!
Eu mulher
de sol a sol, lavradora
de almas, corpos e vida
o meu possível, até o impossível
vitoriosa, protetora... Sou imbatível!
Eu mulher
olhos nos olhos
pensamentos e impressões
saudades e esperanças
mágoas e dissabores do viver.
Eu mulher...
num corpo que parece ágil,
às vezes temerosa, outras valente
mesmo sem ser nada, sigo em frente
desamores, bem frágil
sempre!
Eu mulher...
tal qual rosa perfumada
entrego-me ao amor amante
que me cheira, em suspiros
prova de meu mel
- meu destino, ser assim delicada.
Eu mulher...
aquela que se desdobra
sem medo da própria sorte
que se rende frente à morte
cala o ontem, trilha o agora
à espera do amanhã
a minha hora!
Sonia Ferraresi
....................................
À margem
marginais dia e noite
em favelas penduradas
amoitadas em becos da periferia
anjos sem dignidade
o vento a escutar seus ais
horror sem castidade
no balanço dos corpos
crianças cunhadas
a ferro feridas pela maldade
pra sempre marcadas
Sonia Ferraresi

1 Comentários:

  • Isso que eu chamo de presente de Natal, simplesmente demais menina! Obrigada por este carinho, é uma honra fazer parte da tua coluna, ser tua amiga e estar aqui, bem pertinho do Tonho França, um dos meus poetas favoritos, obrigada e que a Poesia faça cada vez mais brilhar teus caminhos, beijos, adoro vc.

    Por Blogger SONINHA PORTO, às 23 de dezembro de 2007 16:02  

Postar um comentário

<< Home